VSF COM CERVEJA CHARUTO E MUITO MAIS!


Dicas sobre a harmonização de charutos e cerveja! POR SÉRGIO GOUVÊA

Quando comecei a pensar em escrever para falar sobre harmonizaçãoentre charutos e cervejas, cogitei as conversas sobre o assunto
com amigos que, de alguma forma, me conhecem e pedem
opinião para ajudá-los a escolher “uma cerveja legal para tomar enquanto fumam um charuto”.

Além da pergunta aparecer repetidamente em nossas conversas, outro
assunto também me motivou a escrever: uma pesquisa realizada sobre

harmonização com charutos que aponta a cerveja como a bebida preferida.
Esses episódios me fizeram pensar em escrever algo e, quem sabe, poder
contribuir com o que já vivi e curto nesse contexto.

 

Como meu lema tem sido Vai Ser Feliz (VSF) com o que você gosta
e como você puder, estou aqui escrevendo sem a pretensão de ser um

profundo conhecedor de charutos ou de cervejas, mas como alguém que
já há alguns anos vem curtindo fazer a junção entre esses dois mundos.
Já de início posso dizer que certamente terá um viés de gosto pessoal,
afinal sempre curti tanto charutos como cervejas mais encorpadas e fortes.
Talvez isso seja até uma primeira dica, pois para quem está iniciando nesse
processo, o ideal é dar preferência às cervejas com características mais
marcantes. Isso facilitará a sua percepção e você conseguirá distinguir os
principais estilos e, acima de tudo, aquele que fala mais com o que você
gosta.

Não farei aqui nada muito técnico. Nem falarei das escolas, isto é, as
formas de pensar a produção de cervejas, seja alemã, tcheca, inglesa,
americana ou belga. Até porque isso se você tiver interesse, consegue
buscar e ler em qualquer lugar. Vamos falar sobre o que eu tenho visto
na prática.

O básico

Antes de aprofundar, precisamos iniciar falando do básico: a harmonização
com cerveja, a técnica do retrohaling e como bebê-las na degustação.

A harmonização com cerveja segue os mesmos padrões que qualqueroutra bebida: por semelhança, por contraste e por equilíbrio. Isso se dácom vinho do Porto, whisky, rum ou qualquer outra bebida. Ou seja,a primeira reforçará as qualidades comuns, a segunda pela destacará a característica marcante de cada um e por último, o equilíbrio que combina os dois mundos, ou seja, suavidade com suavidade, robustez com robustez.

Como no charuto, temos a técnica do retrohaling para potencializar o
sentido de sabor. A fumada a frio, tato, entre outras técnicas. A cerveja
também merece alguns cuidados, como por exemplo, não se deve tomar
a cerveja muito gelada (ninguém falou que não posso), pois todos sabem
que ela irá anestesiar suas papilas gustativas e prejudicará a percepção do
sabor. Aqui cabe mais uma observação: alguns estilos de cervejas como
as mais intensas são degustadas menos geladas. Isso ajuda na liberação

de aromas e sabores. Dependendo do estilo da cerveja, vale a experiência
de deixar “esquentar” um pouco para ver a diferença e consultar o rótulo
com as indicações de temperatura.

Quando provar a cerveja, pense em analisar alguns itens como cor,
formação de espuma, turbidez e aromas. Para isso, antes de beber, abra
as cervejas, coloque nos copos e faça essa percepção com os diferentes
tipos. Faça como no vinho, balance o copo levemente para que os aromas
fiquem mais presentes e você possa dar “aquela cheirada” e perceber o
que ela tem a oferecer.

No momento da degustação, coloque a cerveja na boca. Deixe ela lá,
passando devagar. Abra a boca e puxe o ar. O ar ajuda a você “entender

melhor” os sabores da cerveja.

E lembre-se: não há regras, nem certo ou errado, cada um carrega em
si uma história, recheada de gostos, preferências e isso precisa ser
respeitado. Ou seja, não faz sentido sugerir uma IPA encorpada para

quem não gosta de amargor, assim como eu, por gosto pessoal, não sou
muito chegado ao estilo sour (me desculpem os mestres cervejeiros) que
se destaca pela acidez, mas para quem adora, por exemplo, uma brut
pode ser uma boa pedida.

Harmonização com charutos

Nas primeiras harmonizações o que indico é não iniciar com o famoso
terço dos charutos, mas dividir sua fumada e harmonização em duas
partes. Isso facilita tanto sua escolha de cerveja como do charuto, além de
ajudar o bolso para quem não quer investir muito. Isto irá contribuir para
você prestar muito mais atenção nas características de uma experiência
com coisas bem distintas e ver o que te agrada mais.

Escolha um charuto com características de fortaleza média ou média forte
que não “morrerá” na harmonização na primeira metade, dando potência
e sabor na segunda. Em uma primeira experiência não busque um charuto

muito grande. Não vamos falar de marcas, mas acredito que um coronaou robusto vão ser uma boa escolha para uma primeira experiência.

Escolha da cerveja

 

Na escolha da cerveja sempre a primeira pergunta que faço é: o que você
gostaria de beber hoje? Se já está acostumado a beber cerveja e fumar é
fácil. Se não, vamos por similaridade.

Vejamos como exemplo, no caso de você gostar de vinho do porto. É uma
bebida mais doce e que te agrada quando fuma. Nesse caso, você pode
escolher uma cerveja que tenha em sua formulação coisas como maple,
chocolate, baunilha, entre outros. Ela também pode ter baixo IBU, que é
a escala que mede o amargor da cerveja e que você pode ver no rótulo.
Cervejas entre 10 e 15 IBU´s são cervejas com médio amargor.

Já se você gosta de single malts defumados, pode escolher uma
cerveja estilo barley wine ou uma Russian Imperial Stout (RIS) com
envelhecimento em barril, meu estilo preferido de cerveja. Outra escolha
pode ser mais extremada como Rauchbier, que é bem defumada. Uma

das mais conhecidas aqui no Brasil é a Schlenkerla Rauchbier Urbock
ou Weizen.

Mas, se você gosta mesmo é de Pilsen, as cervejas do dia a dia, por ser
leve e pouco amarga, saiba que ela não terá grandes cargas sensoriais. Ela
serve para ser tomada em grandes quantidades e despretensiosamente,
não sendo foco aqui. É claro que você pode começar sua fumada tomando

uma Pilsen diferente, talvez feita artesanalmente, e que trará um sabor
mais adocicado pelo malte ou herbal do lúpulo. Sempre vale a tentativa.

Outra opção é uma cerveja no estilo trapiste ou com base em trigo
Weizenbier, chamada de Weiss. Esta última é muito comum e pode
ser encontrada em diversos supermercados, sendo as marcas mais
conhecidas a Paulanner, Erdinger, Franziskaner. Sim, aquelas que, por

sua característica, são servidas nos copos grandes para que você aproveite
os sedimentos do fundo da garrafa. Aqui não vamos nos estender, pois
você consegue saber como servir perfeitamente em vários tutoriais no
You Tube.

Como em qualquer harmonização, seguindo o padrão da similaridade, é
importante começar a fumar a parte mais leve do charuto com a cerveja mais leve, seguindo com a segunda parte do charuto, com uma cerveja

mais forte. Nesta segunda parte, o charuto já está mais carregado de
sabor, nicotina, etc. Por exemplo: começando a fumada tomando uma
Weiss e terminando com uma RIS.

Dicas gerais

O mais importante é que você sempre se desafie a conhecer o novo.Uma opção para quando vo

cê for fumar a segunda metade ou segundo terço do charuto, harmonizando com cervejas mais complexas que pedem temperaturas mais amenas, é fazer a degustação deixando a cerveja na boca um pouco mais. Espace o tempo para puxar o charuto de forma lenta. Sinta a diferença com e sem cerveja. Se preciso, tome uma água entre uma e outra puxada.

Não se limite ao “não curto fumar tomando cerveja” ou não gosto desse
ou daquele estilo de cerveja. A mente aberta para novas experiências é
crucial no processo.

Talvez a harmonização realizada com amigos, além de propiciar trocas
de opiniões, pode facilitar o degustar de mais rótulos de cervejas, seja
pelo preço ou pela quantidade de álcool.

E, para finalizar, nunca esqueça: faça aquilo que faz sentido para você.
Aquilo que acaricia sua alma e te faz bem.

Vai Ser Feliz.
@VSFvaiserfeliz_oficial 

Anterior DO BARRIL PARA A CAIXA
Esta é a publicação mais recente.